nov 202013
 

fantasmaSou um apaixonado por jogos. Sério. Gosto mesmo, fico louco ao ver novos jogos e confesso que, se não tenho nenhuma grande febre consumista por praticamente nada, quando vejo jogos me dá uma coceira pra comprar e não parar mais. Finalmente entendo o que acontece com minha mulher em uma loja de sapatos. Hoje trabalho com jogos e se o faço é graças a uma história que carrego, jogando desde pequeno com meus pais, irmãs, primos e amigos, interrompendo apenas quando fui para a universidade.

Estou completando aproximadamente um ano de volta aos jogos de maneira mais intensa. Isso é muito bom e, após ter comprado um pequeno número de jogos, tenho tentado achar amigos para jogar comigo. Os jogos são todos extremamente divertidos e nunca fiz uma sessão de jogos com iniciantes sem que eles saíssem admirados, surpresos e gostando de pelo menos uns dois ou três jogos. No entanto, percebi que a minha grande dificuldade era convencê-los a começar a jogar. E foi aí que percebi que, apesar de serem tão divertidos, eu estava enfrentando um grande fantasma. O fantasma dos jogos clássicos.

E aqui vou fazer uma pausa para fazer uma ressalva. Tenho certeza que, assim como eu, todos se divertiram muito e têm boas memórias com os jogos clássicos. Eles foram ótimos na sua época. Mas comparados aos jogos modernos, eles estão, hmmm, ultrapassados. Por isso vou falar um pouco sobre os antigos jogos e sobre as minhas críticas sobre eles. Me inspirei num artigo semelhante, 6 Board Games That Ruined It for Everyone. Continue reading »